sábado, junho 21, 2014

Quiz da Copa do Mundo


Quiz da Copa do Mundo.
Teste seus conhecimentos sobre o maior evento futebolístico do Mundo!

1.Quantas copas já aconteceram?

2.Quem foi o maior campeão das Copas do Mundo?

3.Quantas seleções da Europa já foram campeãs?

4.Quantos países da África já sediaram a Copa?

5.Se a Argentina tivesse conquistado todas as finais das quais participou, quantos títulos ela teria?

6.Em que ano aconteceu a primeira Copa do Mundo?

7.Onde a primeira copa do mundo aconteceu e qual o motivo de determinado país ter sido escolhido?

8.Quantas seleções participaram da primeira Copa do Mundo?

9.Em que ano aconteceu a primeira Copa do Mundo do Brasil?

10.Quem foi o Campeão da Copa de 1950?

11.Como ficou conhecido o jogo da final da Copa de 50 que aconteceu no Maracanã?

12.Onde aconteceu a Copa de 1998?

13.Quais os anos e países que sediaram as Copas que o Brasil venceu?

14.Quais cidades sediaram jogos na Copa do Mundo do Brasil em 2014?

15.De acordo com os dados que circulam na internet, cite 5 prós e 5 contras da Copa do Mundo FIFA 2014.

16.Qual a única seleção que pode se igualar ao Brasil em número de títulos?

17.Qual o melhor jogador da Copa de 1994, eleito pela FIFA.

18.Qual a ultima seleção campeã (Copa de 2010)?

19.Quem idealizou o torneio chamado “Copa do Mundo”?

20.Qual país sediará a Copa do Mundo de 2018?

21.Quantas seleções tem como idioma oficial o “Português” na Copa do Mundo de 2014?

22.Quais países já foram sede das Copas do Mundo?

23.Quem ganhou o premio de melhor jogador da Copa de 1970?

24.Porque a Inglaterra foi escolhida para sediar a Copa de 1966?

25.Qual o maior empate da história das copas?

26.Brasil e Suécia fizeram a grande final da Copa em 1958. A Seleção Canarinho triunfou sobre os anfitriões, placar de 5x2. Mas um fato inusitado quase atrapalha os planos brasileiros antes daquela partida. O que aconteceu?

27.Complete: A Seleção Brasileira utilizava camisas brancas e calções azuis como uniforme oficial desde 1919. No entanto, a partir de determinada Copa houve a mudança da camisa. Isso ocorreu em que ano?

28.A Copa de 1950 foi decidida em um quadrangular decisivo; não houve uma "final" propriamente dita. Brasil e Uruguai foram os dois melhores dentre os quatro que poderiam conquistar o título. Quais eram as duas outras seleções presentes nessa última fase?

29.Determinado jogador marcou (sem uma das chuteiras) o último gol na vitória de sua seleção em jogo válido pela Copa de 1938, disputada na França. Esse atleta foi:

30.Qual foi a única seleção na história das Copas que teve de jogar as Eliminatórias para participar do Mundial que ela mesma iria organizar?

31.Quem foi o artilheiro do primeiro Mundial, realizado em 1930 no Uruguai?

32.Qual jogador pode quebrar um recorde histórico na Copa de 2014 caso marque dois gols por sua seleção?

33.A Copa de 2006 foi disputada na Alemanha, mas a Itália foi a campeã em terras germânicas. Quantos jogos a Squadra Azzurra venceu para chegar ao título?

34.Coréia do Sul e Japão sediaram juntos a Copa de 2002. Qual seleção eliminou os sul-coreanos na Semifinal?

35.Holanda e Croácia disputaram o Terceiro Lugar da Copa em 1998. Um jogador que atuou naquela partida é o único a marcar gols por duas seleções diferentes em mundiais. Quem é ele?

36.Considerando os dados coletados até a Copa de 2010, qual Mundial detém o recorde de público nos estádios?

37.A Copa de 1986 foi sediada no México. Porém, o torneio estava previsto para acontecer na Colômbia, mas uma séria crise econômica impediu a realização do evento no país sul-americano. A FIFA ofereceu o Mundial para outras três nações, que recusaram a honraria sucessivamente. Esses países foram...

38.Um país sul-americano conseguiu se classificar para a Copa de 1982 derrotando a Colômbia e o Uruguai nas Eliminatórias continentais. O comandante daquela seleção era brasileiro. Qual o nome desse ex-jogador (já falecido)?

39.Quais são os dois países que conseguiram ganhar a Copa por duas vezes consecutivas?

40.Quais são os três países que ganharam apenas uma Copa?

41.Que país mais sediou Copas do Mundo (sem contar o Mundial de 2014)?

42.Qual a seleção que estará fazendo sua primeira participação em Copas do Mundo em 2014?

43.Qual o nome do Mascote da Copa do Mundo de 1990?

44.Como se chamava a bola da Copa do Mundo de 2010?

45.Como se chama a bola da Copa do Mundo do Brasil?

46.Em que data foi anunciando a vitória do Brasil como país anfitrião do evento?

47.Em qual cidade aconteceu a abertura da Copa do Mundo 2014?

48.A mascote da Copa do Mundo 2014 é um...

49.Em qual período ocorrerá a Copa do Mundo FIFA de 2014?

50.Maior craque do futebol Argentino de todos os tempos.



segunda-feira, junho 16, 2014

sexta-feira, junho 13, 2014

Os 60 anos do Silva Jardim

No dia 14 de Maio a Escola de Educação Básica Silva Jardim completou 60 anos de história e os alunos do 1º ano do Ensino Médio Inovador produziram, na disciplina de informática, alguns jornais para comemorar a data.
Os jornais abordaram temas como:

  • História da Escola
  • Diretoras
  • Primeiras turmas
  • Conquistas
  • Esportes
  • Entrevistas com professores
  • Projetos de Sucesso
  • Crônica - 60 anos Silva Jardim
  • Galeria de Fotos - Históricas
  • Galeria de Uniformes
  • História da Fanfarra


No total foram produzidos 4 jornais na sala e as matérias de maior destaque de cada jornal foram selecionadas para fazerem parte do encarte especial sobre a escola que será divulgado no Jornal "Capital das Nascentes".

Confira algumas das crônicas e em primeira mão o encarte especial que deverá estar em circulação na cidade nos próximos dias.

Crônica: 60 anos de E.E.B. Silva Jardim


“Parabéns”, “muitos anos de vida”. São várias as maneiras de parabenizar alguém. Mas a questão é: Como se parabeniza uma escola? É algo tão grande, um complexo formado por várias pessoas, que se torna difícil expressar a nossa emoção e satisfação por algo assim ter durado tanto tempo.                                                                                                                              
Muitas pessoas escreveram parte da sua história dentro destas paredes. Uma escola é muito mais do que apenas um edifício composto de tijolos e cimento. É algo vivo, em constante mudança. É um grande centro de conhecimento e de aprendizagem, que são complementados pelas pessoas que por aqui passam, sejam professores ou alunos. Apenas a minha história com esse lugar já é algo complexo, imagine então os que por aqui passaram nesses 60 anos? É realmente muita coisa. Todas as pessoas que conhecemos, a nossa aprendizagem, as lições de vida que aprendemos, as piadas, os risos no meio da aula (sempre!), os tombos, até as partes mais vergonhosas. Tudo pulsando vivo em nossa mente. Os blocos que constroem uma escola como a nossa são feitos pelo aprendizado e pela transmissão de conhecimento. Cada aluno e profissional contribui com seu tijolo, expandindo os horizontes e abrindo espaço para novos projetos e ideias. A vida não é apenas algo material. Enquanto somos lembrados por alguém, mesmo depois de nos irmos, nos mantemos vivos. Assim é com a escola. Enquanto os que passaram e ainda vão passar por aqui se lembrarem, ela se manterá viva.Que venham mais 60,80, 100 anos! Que ela se mantenha viva em nossos corações. Viva a nossa escola!
                                                                                                                                    
 Texto escrito por: Carlos Alberto Figueiredo 
Os melhores anos de nossas vidas
Todo início de ano letivo tem uma certa empolgação, uma expectativa no ar que é quase palpável, tão típica de primeiro dia de aula. Os alunos, ansiosos, passam os últimos minutos de férias em parte lamentando a volta das responsabilidades, e em parte loucos para descobrir o que virá no ano pela frente.  É tão bom reencontrar seus amigos, descobrir quem vai estudar na sua turma, quais professores você vai ver pelo resto do ano. E você não acredita que achou que ia ser tão difícil deixar os dias de férias para trás. Porque nunca é. Entre trabalhos a serem entregues, matéria a ser estudada e provas a serem feitas, você se vê rindo e aproveitando todas as novas experiências – porque elas sempre estão lá.
É disso que a escola é feita; desafios a serem vencidos, obstáculos a superar, tantas oportunidades esperando por você, tantas coisas novas para aprender. E às vezes você se vê quase desesperado, achando que é demais, que tudo é tão difícil e impossível de se realizar - até perceber que já passou.
E lá estão as tão esperadas férias de novo – aquelas com as quais você sonhou o ano inteiro. Aquelas que, no último dia de aula, percebe que não quer tanto assim. De repente vêm as despedidas dos amigos feitos ao longo desse ano que apesar de parecer ter demorado uma eternidade, terminou antes de você notar.  E depois começa tudo de novo. 
Já se passaram 60 anos disso – e tantas coisas mudaram de lá para cá. A Escola de Educação Básica Silva Jardim dos dias atuais era originalmente o Grupo Escolar Silva Jardim, que nem ao menos desfrutava de energia elétrica. Em 1960 se tornou o Curso Normal Regional “Frei Rogério Neuhaus”, e apenas dois anos depois ficou conhecida como Ginásio Normal “Professora Eládia de Maia Barbosa”. Em 1971 era chamada Escola Básica Silva Jardim, e em 1987 Colégio Estadual Silva Jardim. Apenas em 2000 ela ganhou o nome que conhecemos, mas muito antes disso outras pessoas construíram seus futuros lá – nossos pais e mães, avôs e avós. Não está longe da verdade afirmar que quase todo alfredense passou pela mesma escola onde estudamos; ela formou a sociedade em que vivemos.
E é difícil de imaginar quantas pessoas viveram histórias dentro dessas paredes – paredes que existiram antes de Alfredo Wagner, quando o chão em que pisamos hoje era conhecido como Vila Barracão. A escola que havia sido construída no terreno doado pelo senhor José dos Campos viu tantos estudantes passar – sonhos realizados, obstáculos ultrapassados, que não é constituída somente de paredes e portas, cadeiras e mesas; são as pessoas que fazem da nossa escola o que ela é. As pessoas que se dedicam com tanta paixão cada dia a todos nós. Cada uma dessas pessoas  fazem desse edifício que existe há tanto tempo uma segunda casa para cada um dos alunos – não só um lugar de aprendizagem, mas também uma fonte de risadas, amigos, memórias. Memórias que lembraremos um dia com a saudade apertando no peito; porque nossos pais nunca estiveram mais certos quando disseram a bendita frase que todos já ouvimos;
“Estes são os melhores anos da sua vida.”
  
 Texto escrito por:: Raquel Iung



  






Nas postagens que vem a seguir confira os jornais produzidos em sala de aula. 




Jornal E.E.B. Silva Jardim









60 anos do Silva Jardim





Aniversário do SJ






quarta-feira, junho 11, 2014

Os 60 anos do Silva Jardim

Ao longo dessas seis décadas, as memórias criadas aqui no Silva Jardim certamente acompanham muitas pessoas. É na escola onde conquistamos nossos primeiros amigos, onde aprendemos a viver em sociedade, conhecemos nosso primeiro amor, brigamos e nos divertimos. As ligações que criamos na escola nos acompanham durante toda a vida e sempre nos lembraremos dessa época com muito carinho. Lembraremos das quadrilhas das Festas Juninas, das viagens da 8ª série para o Beto Carreiro, dos Rodeios Culturais, Gincanas, do ano em que estávamos no terceirão, do baile de final de ano, dos jogos, de um professor que nos ensinou algo diferente, de um professor que parecia meio estranho ou do menino gato que veio de outra escola. Não importa qual lembrança, o fato é que se você parar para pensar, algumas de suas lembranças mais gostosas aconteceram dentro de uma escola, no meu caso, no Silva Jardim.
Desde pequena ouço minha vó falar no tal Grupo – a escola em 1954 se chamava Grupo Escolar Silva Jardim – cresci vendo fotos de minha mãe com aquele antigo uniforme de sainha de prega azul com camisa branca e sonhando em tocar na famosa fanfarra do Silva Jardim.
No primeiro dia em que pisei nessa escola, de fato eu não tinha noção do quanto ela significaria em minha vida. Eu deveria ter uns três anos e finalmente entrar na escola grande onde minha tia estudava foi um momento memorável.
Vim para cá no pré-escolar e minha professora foi a Senhora Isolde Deucher, que para todos era um mito e é lembrada até hoje pelo bom trabalho que desenvolveu como diretora da escola durante os 24 anos na direção.
Hoje passo a maior parte dos meus dias dentro do Silva Jardim. Estão aqui os meus grandes amigos, alguns de meus grandes exemplos, pessoas que admiro e pessoas que quero em minha vida para sempre.
Foi aqui dentro que aprendi não só que antes de P e B se usa M ou que Dom Pedro I foi o herói da independência e que a soma dos quadrados dos catetos é igual ao quadrado da hipotenusa. Aqui dentro aprendi muito mais do que teorias e as grandes histórias das civilizações, foi aqui que eu aprendi a viver. Aprendi que o esforço sempre gera resultados, que amigos são a família que podemos escolher, que todos os sonhos são possíveis e que não importa o tempo que tiver passado, seus micos sempre serão lembrados e que aquela assinatura no livro negro sempre estará lá, sujando sua ficha.
O silva Jardim não faz apenas parte da minha vida e sim da vida de muitos outros alfredenses. Em minha família há três gerações aprenderas aqui e minha gratidão é imensurável. É muito difícil encontrar alguém que tenha estudado aqui após a década de 80 que não tenha uma daquelas fotos na escadaria ou que não tenha saudade do tempo bom que viveu aqui.

Celebrar os 60 anos do Silva Jardim é também celebrar parte de nossa história. Parabéns Silva Jardim! 
Foto 2012

sexta-feira, junho 06, 2014

As copas que já vivi

Como grande parte da população brasileira, sou apaixonada por futebol e essa paixão aumenta quando se trata de seleção brasileira. Quantas Copas já vivi? Como me lembro delas?
A primeira Copa que vivi foi a de 90, mas não lembro direito dela, apenas sei que devo odiar para sempre a Argentina por ter tirado o Brasil da competição, mas como a alegria dos “hermanos” dura pouco sei que perderam a final para a Alemanha, e isso me deixa feliz.
A primeira Copa que realmente vivi foi a de 1994 e acredito que não seja saudosismo, mas ela foi a melhor de todas. Vinte e quatro anos sem títulos e o Brasil recupera a soberania no futebol. Apesar de eu ter apenas 7 anos na época eu sei o nome de boa parte do time e é impossível não lembrar daquela final angustiante, decidida nos pênaltis. Lembro que eu escondia a minha cabeça dentro da jaqueta verde do meu avô em cada cobrança e não pude conter as lágrimas ao ver meu avô chorando de alegria após o Galvão falar que a cobrança do Baggio tinha subido a rampa do planalto. Para comemorar, fui à primeira carreata da minha vida, com uma bandeira enorme verde e amarela que minha vó tinha feito, cobrindo o carro.
A Copa do mundo de 1998 foi uma decepção, primeiro porque eu não consegui completar o meu álbum de figurinhas, faltou apenas umas cinco, entre elas a do Zidane, um cara da França que eu nem sabia quem era, mas que depois daquela final foi difícil de esquecer. Eu não estava acostumada com o Brasil perdendo em finais.
Em 2002 eu intercalava alguns cochilos com pedaços da minissérie Dona Flor e seus dois maridos, tentando me manter acordada para assistir aos jogos que passavam de madrugada, mesmo assim assisti a todos e parecia surreal aquela final onde o melhor goleiro da copa tinha virado um “frangueiro”. Valeu a pena ter acordado super cedo naquele domingo.
A Copa de 2006 foi a primeira Copa em minha fase adulta. Eu já estava na faculdade e como minha turma era formada, em sua maioria, por meninos apaixonados por futebol era impossível não entrar no clima da Copa, mas lembro que assisti a eliminação sozinha no meu quarto e parecia um Déjà vu da final de 98, sofri novamente.
Em 2010 eu já trabalhava em meu atual emprego e a Copa teve um clima diferente, assisti com o pessoal da escola, tomando quentão, comendo pinhão e torcendo muito. Quando o Brasil foi derrotado, foi como se aquilo não fosse realidade, eu acreditava no titulo. Além disso o dia desse jogo ainda fica marcado em minha vida como o dia em que meu coração perdeu a razão por um tempo. Fase difícil!               
Já tenho uma grande bagagem de Copas vividas, mas nunca vivi uma Copa no Brasil. Mesmo assim, chorei algumas vezes assistindo o silencio do Maracanã no gol do Uruguay, naquela final de 1950, a primeira Copa que o Brasil sediou.  

                É emocionante receber a maior festa do futebol em nossa casa. Espero comemorar o Hexa, e se isso acontecer terei uma história para contar por toda a minha vida. Assistirei somente até as quartas de final no Brasil, depois contarei a todos como foi assistir essa final em outro país, como foi vibrar de alegria na casa do eterno vilão da final da primeira Copa no Brasil.

Copa de 2010