domingo, janeiro 21, 2018

Diário de bordo - Eurotrip - Dia 5 - Londres - Deitamos no Metrô


Amanhecemos com a temperatura bem amena, o termômetro marcava zero grau, e uma chuva fininha caia, para deixar tudo ainda mais agradável. Mas, constatamos que definitivamente aprendemos a utilizar as linhas do metrô Londrinho.
Nossa primeira parada era o Petrie, que é um pequenino museu de arqueologia egípcia e estava entre minhas maiores expectativas do dia, mas estava fechado.

O Museu Britânico, ficava ali por perto, então resolvemos almoçar e esperar até as 13:30, que era a hora que ele abriria. Enquanto íamos procurar um local para comer, passamos por uma rua muito simpática a Gower Street, e começamos a perceber que em algumas casas, existia uma plaquinha com o nome da pessoa, sua profissão ou obra e o ano em que ela morou ali. Achamos muito interessante e começamos a prestar a atenção. A história é a seguinte: Essas plaquinhas, geralmente azuis, que trazem o nome, profissão e anos em que a pessoa nasceu, morreu e morou nas casas fazem parte de um projeto. O projeto das placas azuis de Londres surgiu há 150 anos e acredita-se que é um dos mais antigos do mundo, tendo inspirado mais cidades da Inglaterra e de outros países a adotar iniciativas parecidas.

A placa mais antiga existente é de 1867 e pode ser vista na King Street, em St James’s, indicando uma das casas onde Napoleão III, o famoso imperador francês, morou durante seu exílio em Londres.

Fatos e locais históricos também têm placas, como a primeira sede da polícia metropolitana de Londres, a Scotland Yard, ou a primeira transmissão pública de TV de alta definição no mundo, pela BBC. Ficamos espantados, pois na rua em que estávamos, a cada duas casas tinha uma placa, e muitos deles eram contemporâneos, o que fez a gente imaginar como seria ter uma vizinhança tão criativa e genial como aquela.
Almoçamos no Greene King, um simpático barzinho que fica na região do museu, mas até o dono do bar era contra o uso de desodorantes. Outro fato peculiar é que lá estava acontecendo encontro da turma de formandos de 39 – muito provavelmente, pois estava cheio de idosos em uma mesa, compartilhando risadas como se fossem amigos de uma vida inteira.
                Depois do almoço fomos ao museu britânico e eu queria conseguir ver a minha cara quando cheguei lá dentro. Tudo gigante, com um hall de entrada imenso, todo com o telhado de vidro, bem iluminado... Milênios da humanidade dentro de uma sala! Impossível para mim segurar a emoção. Me apaixonei pelo museu logo no primeiro olhar! Tínhamos pouco tempo, pois estávamos com ingressos para outros locais já comprados, sendo assim nos concentramos apenas na pare do Egito, e mesmo assim não deu tempo para ver tudo. 

Lá Eva conheceu “pessoalmente” o Tutancâmon. Se você leu o livro da Eva, deve lembrar da réplica da máscara, que foi encontrada pelo Friedrich – seu pai – e Doutor Henry, depois roubada por O’Malley e posteriormente recuperada por Eva Schneider, no Caeté. Pois é... a original, verdadeira, real/oficial, esteve por muito tempo no Museu Britânico, mas atualmente está no Egito, pois foi devolvida pelos ingleses.
Tínhamos mesmo pouquíssimo tempo, então deixamos o museu, mas com a promessa de retornar em breve. A próxima parada seria na Becker Street 221B.

Sherlock Holmes, mais emoção. Eu nunca imaginei quando conheci suas histórias que um dia eu colocaria meus pés na casa dele. “As aventuras de Sherlock” Holmes foi um dos primeiros livros que li na vida, e ele sempre estará entre os meus favoritos. Quando o li pela primeira vez, eu deveria ter uns 14 anos, e nem em meus sonhos mais mirabolantes eu pensei que um dia estaria lá, naquela rua, naquela casa, que por mais que seja “fake”, não deixa de ser emblemática. Eu sei que me torno repetitiva, mas tenho que falar, mais uma vez, parecia que eu estava vivendo um sonho. Um daqueles momentos surreais, que a vida te proporciona. Significou muito para mim.
“Elementar cumpadi Uóshington!”

O dia já estava maravilhoso e ainda fomos brindados por um lindo pôr do sol, enquanto estávamos na fila para entrar no Madame Tussauds.
O museu em si não tem nada demais, deve ser como os das outras cidades – pois se parecia bastante com o NY – mas foi muito divertido, tiramos muitas fotos engraçadas, selfie com o Papai Noel, foto dando uma carona para o E.T na cestinha de nossas bikes, eu conversando com o Steven Spielberg tratando sobre o filme da Eva, com figurinhas certas de alguns filmes e flertando muito com os galãs. Sim, em algum momento dessa viagem eu tinha que me dar bem, nem que fosse com os homens de cera.

                Em uma das salas do museu existia uma área que recriava a experiência Alien, e senti muita falta da Suzanne, pois ninguém queria tomar a frente e puxar a fila, um bando de medrosos. Sei que a Su iria na frente. Na falta dela, colocamos a Bárbara na dianteira. Mas o troféu de mais medroso foi para Alvas, que praticamente não conseguia andar de tanto medo e depois ainda tomou um grande susto.

                A mão inglesa nos confundia um pouco, então, não raras as vezes a gente sambava no meio da rua. Estava indo, via o carro, não sabia se ia, se voltava e acabava dando uma sambadinha, era hilário e se um dia você passar por isso, vai lembrar do que escrevi e entender.
                Na volta para casa, divertimos o pessoal do nosso vagão do metrô, quando entramos em vagões separados e só nos demos conta quando o metrô já estava em movimento. Também foi um momento de muitas risadas.
                Nesse dia jantamos no MC, para economizar um pouco, pois tínhamos gastado muito no Hard Rock. Mas antes da janta nos encantamos com a Piccadilys Circus e as suas luzes de natal, muito lindo. A Piccadilys lembra a Times Square, não apenas pelos painéis luminosos, mas por toda a vida pulsante que as duas concentram. Me senti um criança, encantada com as luzes de natal da cidade.

Estava tudo bem, lindo e maravilhoso. O havia sido perfeito, tínhamos até marcado um ponto no placar, dominando o metrô, mas já no hostel, enquanto ouvíamos música, tomávamos uma cerveja  e eu fazia anotações para o blog, quando o Alvarinho olhou a fatura do cartão de crédito e percebeu que pagamos uma multa de 164 libras, pelas bikes. VERY BAD NEWS! Ficamos perplexos. Os outros hospedes estavam ouvindo um Rap, que penetrou em nossas cabeças. Foi como um balde de água fria. Eu só queria dormir e esquecer aquelas malditas bicicletas e nosso enorme prejuízo.
PLACAR FINAL DO DIA: EUROPA 5 X 1 PESSOAL DA AMÉRICA DO SUL.

Leia o próximo dia clicando aqui

Para ler o relato anterior clique aqui










Nenhum comentário:

Postar um comentário