terça-feira, abril 19, 2016

Gruta do Riozinho


No mesmo domingo que visitamos algumas cachoeiras no Pinguirito, Evandro comentou que conhecia um lugar lindo que ficava no Riozinho.
Eu não conhecia a comunidade e pelo que pude perceber é muito bem cuidada, muitas casas mantidas com capricho e as vargens do Riozinho contribuem para deixar o local ainda mais exuberante.
Evandro nos levou até uma gruta que fica no terreno do seu Ivan Andersen. A princípio achávamos que seria mais uma cachoeira e achava difícil que depois da última que tinha visto ainda iria me impressionar, porém, eu não sabia o que me aguardava.

Estacionamos nosso carro, cruzamos o rio e andamos cerca 150m até atingirmos a mata. Daí pela trilha de mais 100m chegamos a gruta.

A gruta é um imenso salão, com 47m de comprimento e em alguns pontos com uma largura de 20,5m.  Usávamos a luz dos celulares e câmeras para explorar o local, podia-se notar pequenas gotinhas de água se acumulando no teto, que quando refletiam a luz brilhavam feito pedras preciosas. Naquela escuridão podíamos ver a “fauna” do lugar, formada por insetos que são acostumados a viver na escuridão. Podíamos perceber que a gruta possuía um sistema de iluminação, porém, procuramos e não conseguimos encontrar nenhum tipo de interruptor.
Além da gruta ainda existe uma cachoeira no local, com 25m de altura - sendo 12m até o nível do abrigo e mais 13m até o fundo do vale – e um altar com a imagem de Nossa Senhora Aparecida. Evandro nos contou que é comum a gruta atrair visitantes na sexta feira santa. O som da cachoeira contribui para deixar o local ainda mais bonito e enigmático.
Eu estava decidida a voltar e explorar o local com a iluminação, estava fascinada, encantada por ter “descoberto” um lugar como aquele tão pertinho de casa.
Resolvemos voltar para o carro, já que pouco conseguíamos ver, foi quanto Evandro avistou um poste com uma espécie de interruptor, resolvemos testá-lo – ou deixaríamos alguma casa sem luz, ou iluminaríamos a gruta. Retornamos para a gruta e o que já era lindo, ficou ainda melhor com a iluminação.

Com a gruta iluminada, tivemos a real dimensão do local, pudemos ver algumas estalagmites e estalactites – embora se note que imensa maioria delas já tenham desaparecido, provavelmente pela ação do homem.

Sem dúvidas os Xokleng  e outras fases utilizaram este bom e bonito abrigo. Informaram moradores antigos da existência de ossos humanos. Seriam dos Xoklengs? Eles praticavam cremação. Teriam sido os últimos membros da tribo? É possível. Ou seriam ossos de outras tradições ou fases? (2002, Wagner)
Esse trecho pertence ao livro do alfredense Altair Wagner, chamado Alfredo Wagner: Terra, água e índios. No livro também encontrei algumas informações acerca da gruta:


Propriedade: Ivan Andersen
Geologia: arenito – calcário

Latitude: 27o41’618”
Longitude: 49o25’071”
Dimensões: Trata-se de um abrigo com área de 650m2 e com uma cachoeira de 25m, A entrada é de 30m. o piso é praticamente todo plano, com pé direito médio de 2,6m e largura máxima de 20,5m.
O autor também deixa registrado como foi seu primeiro contato com o abrigo dos índios “ Em 1948, quando visitei pela primeira vez, havia lindos estalagmites e estalactites, hoje infelizmente, restam poucos e quebrados. Pelas suas dimensões e características, este sitio merece que se faça sondagens e pesquisas. É muito bonito” (2002, Wagner).

Evandro, Suzanne e eu ainda fizemos um picnic antes de retornar para casa. Durante todo o passeio tivemos uma guia de quatro patas – que pode ser chamada de Caramelo ou Mel. A cachorra nos acompanhou até a gruta, brincou conosco e até mesmo lanchou com a gente. Foi um domingo incrível!

Sem dúvidas é mais um lugar precioso de nossa cidade, que fascina pela natureza, arqueologia e geologia.

2 comentários:

  1. Oi Carol!
    Meu nome é Diego e trabalho no Cecav (Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Cavernas). Em setembro estarei aí em Alfredo Wagner para procurar e catalogar as grutas do município e vi que vc conhece bastante a região. Gostaria de saber se vc pode nos ajudar com essa missão...
    Por favor entre em contato pelo e-mail diego.bento@icmbio.gov.br

    ResponderExcluir
  2. Show de lugares com certeza vou conhecer.

    ResponderExcluir