quinta-feira, julho 12, 2012

Meus vinte e cinco anos



“Ai que saudade que eu tenho, da aurora da minha vida, da minha infância querida que os anos não trazem mais....”
...  aprendi esses versos na segunda série, e era estranho pra mim relembrar uma infância que ainda vivia... mas hoje tudo faz sentido.
Tenho saudades desse tempo onde eu não precisava me preocupar em corresponder às expectativas da sociedade, não precisava mostrar que cresci e que estou seguindo a ordem cronológica lógica da minha geração.
Acho que eu estou atrasada, em vários sentidos.
Parece que fiquei presa a estigmas e valores que hoje não tem mais o mesmo valor.
Acabou a época do Teenage Dream... agora é vida real. E a realidade ta longe de ser um conto de fadas. Não tem espaço pra ilusões de príncipes lindos com olhos claros em seus cavalos brancos, para devaneios de que o amor eterno exista e o pior, o piegas “ e viveram felizes para sempre” passou a ser uma questão de tempo, infelizmente o “pra sempre”... sempre acaba.
Os valores são outros, e eu não sei mais o que quero.
To antecipando a minha crise dos 30 anos, parece que to  vivendo o “The One Where They All Turn Thirty”, só que cinco anos antes.
Será que to deixando minha vida passar e não estou a aproveitando?
“Amanhã” acordarei com 30 anos e ainda viverei na casa da minha mãe como uma adolescente. Preciso me mover, mas não sei pra onde correr, não sei o que devo fazer. Minhas prioridades são outras, eu não quero ostentar riqueza, quero ser culta, viajar, ter conhecimento sobre o mundo, conhecer pessoas, lugares, e não continuar estática em uma sociedade mesquinha e fútil.
Quero ser agente ativa da história do local onde eu vivo, ser admirada por meus alunos, ser escritora, me apaixonar, ler muito.
Quero tanto, mas às vezes parece que faço tão pouco pra isso.
Quero casar, ter filhos e não ter pressa pra que isso aconteça, quero ser feliz. E eu estou tentando, juro. Hoje eu sou exatamente o que eu queria ser, mas e amanhã? Posso continuar levando a minha vida assim, ou devo dar um novo rumo a ela? Oh céus. Que auroras, que sol, que vida.

Carol Pereira

2 comentários:

  1. Essa crise é inevitável! Também passo por ela, e olha q ainda nao tenho 25. Vc está no caminho certo. Viva, faça coisas que de dão prazer, ame, beije, chore, sorria. Vc é muito especial. Eu fico impressionada com o seu talento para a escrita. Bjuuuu

    ResponderExcluir
  2. "25 years and my life is still"... Foi mal, mas sempre me lembro de vc agora, quando ouça essa música.

    Tô mais perto dos 30 do que vc e já estou naquela fase meio Joey "Why, God, why?".

    O importante é viver a vida e fazer o que está por vir valer a pena. Não é mesmo, minha gente?

    ResponderExcluir