sexta-feira, abril 17, 2015

2015 - Garopaba - Parte III

Se as MPs tivessem uma sede, seria em Garopaba. Desde 2010 passamos
bons momentos MPs nessa cidade – na casa do pai da Paula. Nosso 3º encontro não poderia ser diferente, teve muita diversão, companheirismo e cultura.
Dessa vez a Aline não morreu e o show ficou por conta dos ovinhos de amendoim.
Aprendi muito sobre Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir e sobre Ellis Regina. O bordão da vez foi “Por um erro do destino”. Arrumamos um futuro noivo para Aline e mais uma vez a Paula deu shoooooooooooooow de alta gastronomia.

Paula e eu fomos pra Garopaba na quinta à noite e Aline chegou na sexta super cedo. Nós duas fomos jantar no centro, nada demais... fritas para acompanhar a cerveja. Deu para colocar o assunto em dia, saber mais sobre os vários invernos da Paula e rir muito, até chegarem dois playboys de meia idade na nossa mesa – não conheciam nem o livro do Galera – e ficarem lá se achando. Quando a cerveja acabou – a 5ª de um litro – alguém teve a brilhante ideia de ir beber na praia, fui, meio a contragosto... mas pela areia, pois não entramos em carro de pessoas bêbadas – cof cof cof. Eu tinha um plano para despistá-los e ir pra casa, mas não deu muito certo, porém, ao nos encontrarmos novamente usei toda a minha simpatia para demonstrar o quanto estava gostando do programa e logo fomos embora.
 Foi em casa que infelizmente encontrei os malditos ovos de amendoim. Paula foi arrumar as camas e eu fiquei lá embaixo comendo os ovinhos, mas acabei passando mal e Paula pegou no sono botando o lençol. Foi triste, pensei que fosse morrer sozinha, mas recuperei minhas forças e finalmente consegui subir e dormir em paz.

No dia seguinte não consegui levantar para buscar a Aline na rodoviária, mas fiquei conversando com ela por mensagem até a Paula encontrá-la. Depois da chegada dormimos mais um pouquinho para, mais tarde, almoçar e ir pra praia. O dia estava lindo e apesar do vento – e do meu frio de velha – deu para passar a tarde inteira na praia. Entre erros do destino e muita MPB conversamos muito e decidimos o que faríamos a noite.


Nosso jantar foi no Setentaesete e não pensei que fosse gostar tanto! O lugar é belíssimo, o atendimento ótimo e a comida uma delícia. A carta de vinho é bem completa, escolhemos um vinho branco, de ótima qualidade e era impossível não comparar com um vinho que tomamos em 2010 em Buenos Aires – a garrafa mais barata, tomada praticamente em conta gotas para não acabar antes do show de tango, pois nosso dinheiro só dava para uma – que era horrível. Aliás, todos os vinhos dessa nossa viagem a Buenos Aires foram horríveis, parte pela nossa falta de conhecimento sobre vinhos na época e parte – a maior dela – pela nossa pobreza na época. Comi um filé mignon – imenso – e as meninas um buffet vegetariano.

No dia seguinte, mais um dia de praia. Almoçamos por lá mesmo, depois passamos no super, compramos alguns ingredientes que estavam faltando para o famoso “Escondidinho da Paula” – encontro MP em Garopaba sem escondidinho da Paula não pode existir – e duas garrafas de vinho branco e fomos para casa. Como ainda estava cedo e as meninas não aceitaram minha sugestão de dormir um pouquinho – peso da idade – fomos ver o pôr do sol na prainha. Fomos caminhando e o clima estava perfeito para o passeio, a praia é um encanto e, apesar do céu cinza, ainda deu para curtir a beleza do sol se pondo. Já em casa ficamos conversando sobre músicas, livros e filmes e Paula teve a ideia da gente ir até a locadora e alugar o filme “Cidade dos Anjos” já que é um dos preferidos da vida dela e eu e a Aline ainda não tínhamos assistido. Paula e eu pegamos as bikes – isso mesmo, Aline não pode por causa daquela velha história do porteiro– e fomos em busca do filme, que ficou para depois da janta. Enquanto Paula preparava o jantar, nós a auxiliávamos e conversávamos sobre o quanto a Maria Bethânia canta bem, é linda e tem o cabelo lindo – sqn para a última parte – e cantávamos Fera Ferida. A comida como sempre estava uma delícia e depois dela e de uma garrafa de vinho fomos assistir ao filme.

MORRER POR CAUSA DE UMA TORA? UMA TORA? UMA TORA MAGGIE RICE? Fiquei chorada e decepcionada. Outro fato marcante foi ele ficar tão impressionado com o gosto de uma pêra, imaginem se gostou tanto da Pêra imagina uma Pereira?

Ao irmos para o quarto só pensávamos que poderíamos estar sendo observadas por um anjo e, sem sentido algum, ficamos morrendo de medo. Deitamos as 3 na mesma cama para evitar que os anjos tivessem espaço em nossas camas e fizessem o mesmo que fizeram com Maggie – anjo tarado.
No dia seguinte foi hora de mais uma vez dar adeus a Garopaba e as minhas queridas amigas, mas já deixar os planos prontos para nosso próximo encontro.

Obrigada Kid Abelha. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário