quarta-feira, outubro 18, 2017

Preparativos para Eurotrip




domingo, outubro 15, 2017

Cartagena da índias - história e turismo



Como dizem que os ventos do norte não movem moinhos, o meu sangue latino a minha alma cativa mais uma vez e me leva a conhecer outro pedacinho da minha amada América do Sul – ainda que por meio de pesquisas.
Bom, conhecia pouco sobre Cartagena, sabia apenas que já tinha visto a cidade no filme “Tudo por uma esmeralda” e que era também um dos cenários de um outro filme, baseado no livro do escritor colombiano Gabriel García Márquez chamado “El amor en lo tiempo del colera”.
Vale contar que minha relação com Gabriel García vem de outros tempos. Cartagena sempre foi um dos temas dele. Toda sua obra está baseada na realidade. Nada era pura ficção, ele sabia tornar o real poético e eu tento fazer isso com a minha cidade. Por isso já sentia uma certa intimidade com ele, por meio de sua obra e conhecer sua cidade, seria como conhecer sua própria casa.
Mas, voltando a cidade de Cartagena, ela não é só terra de escritores e cenário de filmes, é um lugar espetacular e cheio de história.
A primeira ocupação dessa região por europeus data de 1503, porém a área foi efetivamente colonizada em 1533. Antes dos espanhóis chegarem, o lugar já era habitado por comunidades indígenas – como todo o continente americano. Na área, escavações encontraram os mais antigos objetos de cerâmica das Américas, datados em torno de 4000 a.C.
Com o início do processo de colonização, Cartagena se tornou um local estratégico para que todo o ouro encontrado no interior do território onde hoje se situam a Colômbia e o Peru fosse enviado até a Espanha. Era também o local onde desembarcavam os escravos vindos da África.
Aos poucos, Cartagena tornou-se um importante polo comercial e é claro que todo esse fluxo de pessoas e riquezas chamou a atenção de Piratas. De forma autônoma ou organizados em grupos, cruzavam os mares só com o fito de promover saques e pilhagem a navios e a cidades para obter riquezas e poder. O estereótipo mais conhecido do pirata se refere aos Piratas do Caribe, cuja época áurea, conhecida como Época Dourada da Pirataria, ocorreu principalmente entre os séculos XVI e XVIII.
Para evitar esses saques, surge um dos símbolos mais imponentes da linha de defesa de Cartagena e que rodeia a Ciudad Vieja: o muro construído no final do século XVI para protegê-la de ataques de piratas e de onde vem o seu apelido, Ciudad Amurallada.
A muralha é uma imponente construção que possui mais de 11km de extensão e que hoje, tombada pela UNESCO e ainda intacta, atrai milhares de turistas para conhecer a beleza desse pedaço do caribe colombiano.
 Outra curiosidade na arquitetura da cidade são as portas das casas, carregadas de simbolismo: cada desenho na aldrava tinha um significado diferente e esses vários "botões" indicavam riqueza. Quem tinha mais dinheiro, aplicava mais "botões". As iguanas e os motivos marinhos são recorrentes nas aldravas. Cada figura poderia representar o status da família, seu ofício principal, comércio ou sua ligação com a família real espanhola. Mais do que peças meramente aleatórias ou decorativas, diziam muito sobre quem repousava dentro do recinto, ou sobre o que a pessoa queria que se pensasse dela. São mantidas até hoje e chamam a atenção dos visitantes.
            A cidade, hoje voltada ao turismo, oferece uma vasta gama de opções turísticas, entre elas: city tour motorizado a bordo de um segway, o inesquecível pôr-do-sol do Café del Mar, o mirante do Convento de Santa Cruz de la Popa, o Castillo de San Felipe de Barajas, o charme caótico e as sacadas floridas de Cartagena, a Plaza de los Coches, a Porta del Reloj e é claro, curtir um dia de sol em uma de suas maravilhosas praias.
Para isso, as Islas Del Rosario são imperdíveis. Elas são um arquipélago formado por 27 ilhas. Fazem parte do Parque Nacional Corales Del Rosario e por lá você vai encontrar praias com areia branquinha e a água em um tom de azul transparente, o que lhe oferecerá ótimos lugares para mergulhar. A Playa Blanca fica na Isla Barú, a única Ilha do arquipélago das Islas del Rosario com a possibilidade de chegar de carro. Talvez por isso seja a praia mais movimentada e cheia, seu fácil acesso permite o crescimento de restaurantes e pousadas, deixando-a bem turística.
Bom, fiz meu dever de casa, e já mereço conhecer essa terra de beleza natural ímpar e uma história riquíssima. Quem sabe Eva Schneider não desvende um enigma deixado por Blas de Lezo durante sua luta pela defesa da cidade?


                                   G.G. Márquez – “Não há remédio que cure o que a felicidade não cura” – Do Amor e Outros Demônios.

sábado, outubro 14, 2017

2º Desafio Montain Bike de Primavera - Serra dos Soldados



- Valor por pessoa para o final de semana: R$75,00
- Valor individual para domingo: R$50,00
- INSCRIÇÕES somente até o dia 26 de outubro.
- Vagas Limitadas.

O que está incluso?

- Lanche de trilha
- Entrada no terreno particular onde se encontram os Soldados Sebold
- Balaclava do evento
- Condutores
- Monitores
- Kit de primeiros socorros
- Pontos de apoio e carro de apoio
- Seguro

Programação

Sábado:

15:00h  - Pedal de aquecimento  (cicloturismo)
20:00h – Janta no restaurante Salto das Águas, com briefing e entrega do material

Domingo:

8:00h - Saída do centro de Alfredo Wagner em direção a comunidade de Santa Bárbara
Ponto de apoio em frente a Igreja de Santa Bárbara.
13:00h – Previsão de chegada nos Soldados e confraternização com lanche de trilha;
14:00h – Retorno pelo Santo Anjo;
18:00h – Previsão de chegada até os carros
Equipamentos de segurança obrigatorios: Capacete, luva e calçado adequado.


*O valor pago de inscrição não será devolvido. Caso tenha chuva na data escolhida, o evento será transferido para uma nova data a ser informada até quatro dias após a data oficial.
Requisitos para inscrição no Evento:
– Ser maior de 18 anos. Estar apto tecnicamente e clinicamente. Estar de acordo com o Regulamento Básico.




https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfHazkWvqdsugd4frIKcsoXZmaiEsEq6CoOkw0iFGw-coF8Dw/viewform

13ª Vez no Rio de Janeiro


Geralmente eu não escrevo sobre nossos encontros do mestrado, mas, eu não poderia estar no Rio e não falar nada aqui no meu blog.
O Rio de Janeiro continua lindo e mesmo em uma viagem curtinha, deixou meu coração cheio de lembranças!
O que teve?
Teve motorista do Uber levando 5 passageiros;
Teve motorista do Uber constrangido;
Teve coxinha de 30 reais;
Teve foto na máquina da praia;
Teve chuva;
Teve restaurante com vista linda;
Teve chuva;
Teve feijoada que servia 7;
Teve chuva;
Teve 345678 chopps;
Teve aprovação da cerveja Império.
Teve chuva;
Teve Murilo Kid Bengala;
Teve chuva;
Teve filho escolhendo vibrador para a mãe;
Teve chuva;
Teve Piqué e AVA;
Teve chuva;
Teve pipoca e filme de terror;
Teve by by man (medo até de escrever);
Teve 1007 homens lindos e gostosos se beijando entre eles;
Teve samba pra Ju;
Teve loucura quando tocou Pabllo Vittar;
Teve entrada free;
Teve cerveja de 1 litro e de garrafa;
Teve Denise no Pole Dance;
Teve Shakira na balada;
Teve Lady Gaga e Katy Perry também;
Teve eu querendo ir pra Lapa;
Teve eu reinando;
Teve eu sem aplicativo do Uber;
Teve eu com rabinho entre as pernas;
Teve eu planejando passear na chuva;
Teve as outras meninas indo pra Lapa;
Teve gente furando querendo furar olhos;
Teve sol! OBRIGADA DEUS TEVE SOL;
Teve passeio pela Orla, foto com estátuas, arpoador;
Teve mais uma vez feijoada no almoço, com vista linda e muito amor;
Teve semi DR;
Teve muito, mas muito amooor, amizade e cumpricidade;
Foi isso o que mais teve! Muito amor! É sempre maravilhoso reencontrar essa gente espetacular que o mestrado me deu de presente.

Já estou com saudades (de vcs e do Rio), amo todos vocês (e o Rio também) <3 o:p="">











quinta-feira, outubro 05, 2017

LIVRO CONHECENDO ALFREDO WAGNER VIRA REALIDADE

A capa ainda pode sofrer pequenas alterações

Finalmente um projeto antigo está virando realidade. O tão sonhado livro com todas as pesquisas e histórias do Projeto Conhecendo Alfredo Wagner está em fase final de produção!
Estou imensamente feliz por essa conquista e convicta de que devemos persistir em nossos objetivos.
Foram quatro anos de inúmeras tentativas, de ilusões e frustrações, mas sempre que aparecia uma oportunidade, tentávamos tornar o livro real. Com tantas tentativas, uma deu certo e hoje o livro já tem uma cara para ser apresentada a vocês.
Apesar dele ser o meu segundo livro, tem um gostinho de primogênito, pela importância do projeto em minha carreira. O Projeto Conhecendo Alfredo Wagner foi um divisor de águas em minha vida. Me abriu portas, fez meu trabalho ser reconhecido como nunca havia sido antes e foi através dele que o flerte que tinha com minha cidade e suas tradições virou esse amor enorme, essa paixão que se renova a cada dia. Foi com esse projeto que nasceu essa vontade de mostrar ao mundo o nosso lugar através da escrita.
Esse é um livro escrito por muitas mãos, conta muitas histórias, dá voz a um passado que merece ser ouvido e conhecido. Esse livro não é só meu, muitas pessoas estiveram envolvidas de inúmeras formas, mas tenho que citar o nome de algumas pessoas que também são protagonistas desta história:
Ana Paula Kretzer, minha grande parceira e nossos alunos do então 2º Ano do Ensino Médio Inovador Alexsandro Ricardo da Rosa, Ataline Steinhauser, Elaine Schaffer, Giovana Truppel, Hugo Seemann, Illana Bondavali, Marcos Gabriel Magalhães Boll, Maria Luiza da Silva, Samuel de Andrade Back, Saulo Iung Nanon e Tatiana Heiderscheidt.
Obrigada por todo o empenho e dedicação. Obrigada por aceitarem as minhas propostas e parabéns pelo belíssimo trabalho que desenvolvemos. <3 o:p="">

“Nasce o sol e põe-se o sol, e volta ao seu lugar onde nasceu. O vento vai para o sul e faz seu giro para o norte. Continuamente vai girando o vento e volta a fazer os seus circuitos. Uma geração vai, outra geração vem, porém a terra para sempre permanece.”

O tempo e o vento – o filme.