domingo, fevereiro 24, 2019

Histórias da Nossa Gente - Caveiras e Camargo Correia




O nosso projeto – meu, Carol Pereira e da Manuella Mariani – Histórias da Nossa Gente irá escrever duas reportagens especiais no mês de março.
Uma será sobre “Os Caveiras”, banda que continua na memória de muitos alfredenses, dando a trilha sonora para algumas de suas lembranças mais felizes... bailes, carnavais... tudo animado ao som da banda mais alfredense de todas.
A segunda reportagem especial será sobre a Camargo Correia. Para muita gente, esse nome não quer dizer muito, mas basta ter mais de 30, 40 anos, para saber que ele representa uma profunda mudança em toda a nossa sociedade. A Camargo chegou não apenas para encurtar distancias, construindo a BR 282, mas também para mexer profundamente com as estruturas sociais de Alfredo Wagner e para sempre deixar suas marcas por aqui.
Quer contribuir? Tem algo para nos contar sobre esses dois assuntos?
Estamos iniciando as pesquisas e entrevistas, se você tiver algo que acha que pode contribuir, deixe aí nos comentários! Ficaremos felizes com sua contribuição! =)

sexta-feira, fevereiro 15, 2019

Histórias da Nossa Gente - Entrevista com Anivo Forster e Herta S. Forster



Esse projeto nasceu para que pudéssemos registrar as Histórias da Nossa Gente, pessoas que ajudaram a fazer da nossa cidade o que ela é hoje. São histórias de luta, de vitórias e derrotas, histórias de pessoas comuns, assim como nós e vocês, mas que são carregadas de ensinamentos e lições. É a vida, a nossa vida.
Nesse projeto já tivemos o prazer e também a oportunidade de deixar a história de algumas pessoas inesquecíveis, registradas para sempre... um pouco antes delas partirem, nós realizamos as entrevistas e colocamos no papel um pouco de suas vidas, imortalizando suas histórias. Esse foi o de seu Anivo Forster, que nos concedeu a entrevista, alguns meses antes de falecer e hoje ao lado de sua esposa é o protagonista do Histórias da Nossa Gente.


Anivo Lepoldo Forster (in memoriam), 86 anos e Herta Schwambach Forster, 85,  vivem na comunidade de Rio Lessa desde da infância. Ambos estudaram na mesma escola, frequentavam a mesma igreja, as mesmas festas, lá se conheceram e escreveram uma história de muita luta, cheia de conquistas e motivos para abrir largos sorrisos em seus lábios.
A entrevista foi realizada em julho de 2018 e foi um início de noite repleto de risadas e boas histórias. Eles contaram que desde muito pequenos trabalhavam na roça, ajudando os pais e irmãos a conquistarem o sustento da família.
O casal, descendente de alemães, ainda carrega o sotaque herdado dos antepassados, que chegaram ao nosso país a mais de um século. Herta não sabe a história de como seus antepassados chegaram aqui, mas seu Anivo nos contou que foi o tataravô que imigrou da Alemanha para o Brasil. Primeiro ele e um irmão, parceiro nessa tentativa de nova vida, foram para a Inglaterra, mas que lá surgiu a oportunidade deles tentarem um futuro melhor na América do Sul, então, juntos vieram para o Brasil. Aqui chegando se dividiram, um vindo para Santa Catarina e outro indo para São Paulo. O irmão que foi para São Paulo, lá formou família e também prosperou, tendo um de seus descendentes até mesmo envolvido no processo de início das transmissões da televisão Brasileira ao lado de Hebe Camargo. O irmão que veio para o Sul do Brasil, a princípio se estabeleceu em Santo Amaro da imperatriz e depois seus familiares acabaram se deslocando mais para o interior do estado, chegando no Barracão.
Além do trabalho duro, a infância traz memórias da escola e também da religiosidade, sempre presente na família. Seu Anivo estudou apenas até a 3ª série, mas segundo ele, foi o suficiente para que ele dominasse plenamente a escrita e aprendesse a fazer contas como poucos. Sua educação foi até mesmo elogiada no exército, onde serviu quando chegou a maioridade. Ele lembra com carinho de sua professora Maria Duarte Althoff, que permitiu que ele entrasse na escola mais cedo que o costume. Apesar da pouca idade e de ter que sair antes dos outros – as 10:00h, assim que iniciava o recreio – para ajudar seu pai, no engenho de farinha que ficava distante da escola, sempre seguiu bem nos estudos.



Ele e a esposa, companheira de toda a vida, dividiram até mesmo a professora, pois ela também foi aluna de dona Maria. Dona Herta nos contou que estudou apenas até a segunda série e que morava a cerca de 5km da escola. Fazendo frio ou chuva ela ia para aula, passando por estradas cheias de buracos e mato, que faziam seus pequenos pés sangrarem dentro de seus tamancos de madeira. O casal, assim como a maioria dos colegas chegou a escola falando apenas alemão. Aprenderam o português com os amigos de aula que falavam o “brasileiro”, pois precisavam se comunicar com a professora, que não falava alemão. Herta nos confidenciou, que já nos tempos de escola gostava de Anivo, apesar das brigas. Ela ainda guarda com estima o seu tinteiro, que é testemunha dessa história de amor que começou quando eles ainda eram crianças.
As famílias viviam todas de uma maneira muito parecida, não era comum alguém ter muito dinheiro para ostentar. Viviam uma vida muito simples, sempre trabalhando o hoje, para conquistarem o amanhã.
Anivo tinha 4 irmãos e Herta 6, o que era bem pouco para os padrões da época, onde era comum os casais terem mais de uma dezena de filho.
Eles relembram que seus pais, zelavam para que os filhos vivessem de acordo com a vontade de Deus. As famílias inteiras iam para os cultos que aconteciam na igreja do Rio Adaga. Eles ainda lembram de Adolfo Miscalosck  que era o pastor da igreja luterana – a grande maioria dos colonos dessa região era da religião luterana. O pastor Adolfo as vezes realizava o culto inteiro em Alemão, a pedido dos mais velhos, que muitas vezes nem mesmo falavam o português. Era muito comum ver o pastor indo a cavalo até as comunidades mais distantes. E desse tempo Anivo também relembrou de sua primeira comunhão, primeira vez que usou sapatos na vida... o sapato não era novo, era um par que tinha deixado de servir em um primo, mas mesmo assim, o menino ficou contente em ter pela primeira vez os pés dentro de um sapato.
            Quando completou 18 anos, Anivo foi servir no Exército Brasileiro. Diferentemente da maioria dos moradores do Barracão que também foram para o exército ele foi para Florianópolis e não para Lages. Ele nos contou que foi muito bom, pois como tinha duas irmãs que moravam lá ficar longe de casa não foi tão difícil. Ele também nos contou que quase foi para o Rio de Janeiro, assim como o amigo Leopoldo Schaffer – do Caeté – o que o impediu foi o porte físico, pois ele era mais magro do que os selecionados.
            Retornando para casa, casou com Herta, a moça esperou por ele por todo o tempo em que ele esteve no exército, e quando ele retornou, enfim tinha chegado o momento de oficializar o compromisso e de fato, começar a trabalhar pensando em formar uma família. A vida não era nada fácil naquela época, como é de se prever não existia luz elétrica, então eles não tinham geladeira, muito menos chuveiro elétrico, trabalhavam o dia inteiro nas roças e na atafona, “lutando” com o gado e com os porcos e a noite ainda precisavam cumprir uma série de obrigações, tais como: cuidar da criação, realizar o serviço de casa, fazer até mesmo o pão para o dia seguinte, além de lavar roupas.
Os filhos começaram a chegar e apenas um dos partos aconteceu no hospital, apenas o da filha mais nova, todos os outros foram realizados em casa, com a ajuda de parteiras como Dona Meta – que já teve a personalidade publicada aqui no blog – e Sophia Popeng Weinz, que fez a maioria dos partos de Herta. Em um desses partos, não deu nem tempo para a chegada da parteira, Herta teve a ajuda da sogra, para trazer o filho Adilson ao mundo.


            No início, a principal regra da casa era a economia, evitavam até mesmo de sair para festas, para não gastar. Eles precisavam investir no futuro da família. Nos três primeiros anos de casados, eles criavam gado, mas depois disso começaram a cultivar grandes áreas de cebola. Seu Anivo nos contou orgulhoso, que a cebola lhe ajudou a conquistar muitas coisas. “Tudo o que a gente adquiriu na vida, veio da cebola”.
Ele também nos contou com orgulho que não teve medo de arriscar e comprar um grande terreno na Boa Vista. Com o intuito a princípio de criar gado, mas depois podendo ser usado também como área para a plantação. A grande compra trazia preocupações, pois precisavam trabalhar bastante para pagar o terreno. Mas hoje, olhando para o passado ele percebe que foi um grande investimento e que tudo valeu a pena.
Apesar da cebola ser o carro chefe, ele sempre teve paixão por gado, tendo algumas “criações” até hoje, depois de já ter repartido suas poses entre os filhos.

Osso de Baleia e casa

Dois fatos chamam a atenção de quem passa pela estrada do Rio Lesse: a casa de seu Anivo e dona Herta, que foge uns poucos do padrão das outras casas da região e também um osso de baleia, que ornamenta a parede de um dos ranchos.
A casa foi construída  no ano de 1949 pelo pai de Anivo e eles tiveram que trazer um pedreiro de outro lugar, o homem tinha acabado de vir da Alemanha e se chamava Fernando Tezmaia, já era idoso tinha 63 anos na época da construção da casa, mas foi o único capaz de realizar a obra conforme a vontade do pai de Anivo.


O osso da baleia veio parar ali na época em que ele estava no exército a baleia foi morta no Morro das Pedras. Os ossos estavam por lá, então um cunhado que tinha caminhão se ofereceu para trazer um osso para o Barracão. Parecia uma boa ideia e Anivo aceitou a oferta do cunhado. Quando seu Anivo chegou com a estranha “lembrança” por ali, todos se perguntavam, de onde veio um osso tão grande como aquele? Como foi que ele foi encontrado? Como, um osso de baleia... ali nem mesmo tinha mar?


Infelizmente no último dia 16 de janeiro, seu Anivo partiu. Deixando os seis filhos, 14 netos, 14 bisnetos, 1 tataraneto, e sua grande companheira, Herta, muito saudosos, mas cheios de ensinamentos.
Seu Anivo se foi, mas deixou um legado de trabalho, honestidade e amor, que será levado adiante por todos de sua amada família.